sábado, 29 de setembro de 2012

Eu também sei esperar

É preciso plantar para colher. É preciso sorrir para enxergar. Nem tudo são flores, mas podemos sorrir e ver as lindas rosas que florescem junto ao nascer do sol. As rosas nascem nuas e florescem ao sibilar da voz doce. De onde vem essa voz doce que desperta a aurora? E, afinal, onde foi que me encontrei na estrada? Estava tão perdido e atribulado. Agora estou sossegado, pois tudo se esclareceu. O dia amanheceu e vejo que a flor também cresceu. Tudo cresce, tudo muda, tudo se transforma. Agente também aprende a se conformar e a esperar. Quem sabe se o amanhã virá? Se vier, ok. Eu também sei esperar.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

(quem lê, entenda)

Poema de sete faces

Quando nasci, um anjo torto
Desses que vivem na sombra
Disse: Vai, Carlos! Ser gauche na vida

As casas espiam os homens
Que correm atrás de mulheres
A tarde talvez fosse azul
Não houvesse tantos desejos

O bonde passa cheio de pernas
Pernas brancas, pretas, amarelas
Para que tanta perna, meu Deus?
Pergunta meu coração
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
É sério, simples e forte
Quase não conversa
Tem poucos, raros amigos
O homem atrás dos óculos e do bigode

Meu Deus, por que me abandonaste
Se sabias que eu não era Deus
Se sabias que eu era fraco

Mundo, mundo vasto mundo
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução
Mundo, mundo vasto mundo
Mais vasto é meu coração

Eu não devia te dizer
Mas essa lua
Mas esse conhaque
Botam a gente comovido como o diabo


(Carlos Drummond de Andrade)

domingo, 23 de setembro de 2012

Por eu ter me encontrado

Eu já joguei tantos versos fora
E tantos já guardei na memória
Eu já perdi a inspiração
E tanto viajei na imaginação

Eu já usei gírias
E, propositalmente, erros de português
Já esqueci o que devia lembrar
E já amei quem não devia amar

Eu já fui alguém
Hoje sou ninguém
Eu já pude amar
Mas hoje só sei pensar

Eu fui e já voltei
Me afoguei
E emergi
Sumi e não me procuraram
Mas por eu ter me encontrado
Me acharam

Estou eu hoje e aqui
Pronto pra mais uma pancada
Para andar sobriamente cambaleando
Sobriamente bêbado
Bêbado de versos e palavras
De palavras e estrofes
Deste meu destino gauche
E da vida a má sorte

sábado, 22 de setembro de 2012

Isso também é ilusão

Enfim, a liberdade
Ainda que transitória
Tenho, enfim, a capacidade
De me sentir bem só

Isso é bom
Mais uma vez
Esquecer os perfumes
Abandonar as ilusões

Enfim, a liberdade
De não mais me apaixonar
Talvez nunca mais
Mas isso também é ilusão

Tenho plena liberdade, enfim
O poder de escolha
De saber o que é bom
Bom pra mim

Nunca saberei o que é bom pra mim
Mas sei que em tudo haverá proveito

Liberdade... doce liberdade
Liberdade... ilusão e vaidade
Liberdade para rimar (ou não!)
Liberdade para acreditar
Que tudo isso é poesia

Tenho, talvez, a liberdade
De, enfim, poetizar
Mas tudo isso é lorota
Pois real liberdade não há

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Dia novo

Eu não dormi
Eu pranteei
Pois de amor
Eu transbordei

Eu não cabia mais ali
Tudo fora do lugar
Sangrei na noite da dor
Até poder me encontrar

Tenho novamente o poder em mãos
Só um pouco de amargura
Curou-me o sangue na manhã
Do dia novo e sem frescuras

Eu contei o tempo
O tempo a velar
Recomeço hoje, aqui
Sem hesitar

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Melhor é nem começar

Logo que me ponho a escrever
Fico a perguntar o porquê
Assim que começo a pensar
Questiono onde vou chegar
Quando ponho-me a dizer
Percebo o que devo fazer
Se não tiver do que falar
Melhor é nem começar

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Saber

Só sei que nada sei
E não saberia
Mesmo que eu soubesse

Não sei
Porque em minha mente oca não caberia
Nada sei
Porque decidi de nada saber
Nunca saberei
Porque quem se julga sábio
Esse é quem menos sabe

Sabe-se de muita coisa
Quase todos os dias
De uma coisa nova se sabe
Mas de nada se sabe

O que pra mim interessa saber
Para ti de nada vai valer
Então não valho nada
E, para mim, és um nada

Minha grande frustração
Descobri que sou igual -
Apenas um jargão -
Uma rima que não rima
Uma rima que não sabe
Quem não sabe, uma rima 
Um dia eu rimo
Inda serei o arrimo de alguém

Entre tudo que nunca saberei
É quem serei, quem sou
Nunca serei o tempo que passou
O verso que já saltou
Atarei os meus olhos
Para não saber do amor

domingo, 16 de setembro de 2012

Cravado em mim

Hoje o sol vai demorar a nascer
A vantagem pra mim
É que verei o alvorecer
Em câmera lenta

Amanheço depois de uma noite de choro
Choro depois de uma noite de chuva
Chuva que chove apenas em mim

Só eu sei o que realmente sinto
Sinto uma agonia
Agonia que não desgruda do peito
Parece que vou sair - ou até já saí! -
Da minha existência
Uma existência sem fim que dilata meus olhos
Existência sem fim a dilatar o meu coração

Tudo me lembra você
E é quase sem querer
Tudo naturalmente
Parece até sem querer
Não quero mais não te querer - e nem consigo!

Tenho a impressão de que és uma impressão
Impressão digital
Uma tatuagem de rosa com espinhos cravada em mim
É triste viver assim
Ter algo sempre encravado em mim
E agora meu coração chora - e implora! -
Implora pra voltar à sua antiga paz
Mas não posso mais voltar atrás

Eu jamais acreditei em poesia
Nem no sofrimento do poeta
Resta, pois agora, só uma coisa certa:
Se não fosse a poesia, certamente eu não amaria
E se não fosse o amor, certamente beleza alguma haveria

sábado, 15 de setembro de 2012

Ilusão

É estranho estar mergulhado em pleno voo nas extremas alturas e, de repente, perceber que nem saí do chão.

Pode ser tarde

Desate o nó
Solte a sua garganta
Desafivele o cinto
Dê um grande grito
Um brado!

Libere todas as emoções
Sinta todas as sensações
Que a vida pode te oferecer

Deixe
(Nem que por
 um segundo)
A vida pra lá
Libere o peso
Que prende os teus pés
Corre!
Vai atrás daquilo que queres
Voa!
Nas nuvens feitas de sonhos
(São os teus sonhos!)

Não deixes pra depois
Pois do amanhã não sabes
Depois
 pode ser tarde

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Isso sim é imensidão...

"Navegar é preciso, viver não é preciso."

Diálogos entre eu e eu I

"O que dizer quando não há nada pra se dizer?
O que fazer quando não se sabe o que fazer?
Quem eu devo ser para acreditar em você?"

- O quê?
- Nada.
- Eu não disse nada!

"Sou um tudo e nada ao mesmo tempo
Sou tão pouco
Mas também sei ser o suficiente depois
Tão sem sal, nem açúcar
Sou insosso, deselegante, desinteligente
Grosso, mas simpático ao mesmo tempo"

- Mas... e daí?!
Que se danem todas essas descrições tolas!

"Ninguém vê, nem ouve, nem acredita
Cada um enxerga o que quer enxergar"

- Será que não vês?
- Sei que vês - e muito bem! - mas jamais vais acreditar.

- Creio infinitamente nesse zelo...
Esse teu zelo perfeccionista - quase obsessivo!
Observe:
Me observe

- Ah, já não vejo nada!
- Todos esses diálogos sem sentido não servem para nada!

Folha em branco

Eu decidi guardar o antigo livro e começar a escrever numa folha em branco que estava à parte. Começar - não recomeçar! Chega desses papéis jogados no lixo. Infinidade de rascunhos. Arriscar-me-ei num texto novo, mas dessa vez, completo. E se ousar mais, até um livro, porque o velho tinha muitas traças, muitas repetições. Preciso de desapego, pois aprendi que tudo tem uma continuidade. O mundo não gira em torno de mim, mas em torno de si mesmo (sim, ele é egoísta também!) e a vida continua, sempre continua, sempre contínua...

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Saudade vazia

Aquele refrão soava estranho. Palavras vadias, verdades vazias. Tudo fazia sentido antes, mas a rima perdeu o sentido por culpa de um instante. Queria ter coragem de pedir ainda uma vez mais:

"Deixe-me ser essa última ilusão. Mas dessa vez mais forte, mais convicta, mais madura e menos repetitiva. Deixe-me folgar com teus beijos doces e esquecer tudo quanto empatou meu caminho antes. Faça-me deixar de ser um viandante pelo menos uma vez ao dia. Faça-me ser sua saudade vazia."

Mas tudo que eu me tornei foram esses refrões que já perderam sua vivacidade. Eu perdi a vivacidade. Não vou mais tentar romper a cápsula e nem insistir na cláusula. Também não serei ilusão, não serei mais forte, nem convicto, nem maduro e tampouco menos repetitivo. Meu caminho continuará cheio de cascalho. Serei eternamente um viandante a te observar de longe, com saudade, com remorso, com uma esperança desmedida e iludida. Serei saudoso, saudoso da paixão que ficou. Não serei tua saudade vazia, mas estarei sempre à espera do teu amor.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Desumano

Meu sentimento não vale nada. Eu sou um vale de tristezas condenado a carregar para sempre esses sonhos jogados na lata de lixo. Eu sou a própria lixeira e o único sentimento que me resta é a pena - esta que sempre tive aqui, esta que a humanidade finge desprezar e aponta como mais miserável dos sentimentos.
Eu sou um mar - um mar, não o mar. Eu tenho medo do mar, tenho medo de amar. Sou as cinzas que sobraram do churrasco do fim de semana. Eu sou lixo humano. Desumano! Deveria ter sido apenas uma massa morta, fétida, podre, pobre e abortada. Sou uma presença forjada nessa matéria imaterial e irracional. Sou esse verso triste e mórbido. Tenho coração insólidoSou pó. Vim do pó. Voltarei para o pó.
Sou estranho e estranho. Sou estranho porque eu sou eu -  esse ser anormal, esquisito, inadaptável ao meio social. Estranho porque estranho o mundo à minha volta que corrói minhas entranhas com suas rígidas e implacáveis voltas. Sou entranha doída e machucada por um tiro de revólver. Uma faca revolveu meu peito e depois atravessou minha barriga. Sou volúvel, solúvel e indissolúvel. Ao meu lado mora a solidão, mas junto desses versos obscuros inda bate um coração.
Eu sou um Titanic que afundou cem anos depois. Como no verdadeiro, quase todos morreram e ficou tudo naufragado. Eu naufraguei na poesia, me tornei falador da dor; filósofo das amarguras. No meio do Atlântico, cheio de pavor. Frio congelante, escuridão agonizante. Gritos desesperados. Mas lá vem um bote! Não morrerei aqui no meio do mar. Dele jamais serei parte. E, saibam todos: não acredito em sorte.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Com amor

Todos esses versos
Foram pra você
Foi de pouco a pouco
E quase sem querer

Tanta rima repetida
Tanta palavra, tanta estrofe
Já está tudo tão chato
Então fiz essa, antes que mofe

Todo esse jardim fiz pra você
Aceite só uma flor
(Sem modéstia, por favor!)
Por realmente merecer

Eu fugi da minha ilusão
E fiquei pior
Por isso vim aqui
Pra me fazer melhor

Não tenho coragem de dizer
Nem jeito pra falar
Também não quero escrever
Vergonha tenho de te contar

Eu hesito
Temo que é chegada a hora
Mas eu me apaixonei
Pela luz da aurora

Tudo o que sinto
Não ignore, por favor
Sei que é bobagem
Mas eu te amo com amor

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

A ti

Eu te odeio
Porque te amo
E não sei não te amar

Me odeio
Porque me encanto
E sem ti não sei me achar

Espero
Pois desespero
Do coração a sangrar

Te choro
Pois os teus olhos
Têm os meus a brilhar

Eu rimo
Porque arrimo
E deliro no versar

Escrevo porque a ti
Que és minha vida
Só sei amar

Tenho versos de saudade
E vontade
De te encontrar

Tenho a rima repetida
Desse pobre coração
Que só quer te amar

domingo, 9 de setembro de 2012

Não suporto

Eu não suporto perder um sorriso
Mesmo que não sorria pra mim
Eu não suporto perder um abraço
Mesmo que não me abrace

Eu não suporto sentir teu perfume
Porque está sempre longe daqui
Eu não suporto sentir o teu cheiro
Porque, mesmo estando longe,
Não desgruda da minha pele

Eu não suporto mais viver assim
Porque já nem sei de mim!

Eu não suporto a sua voz
Porque mi corazón fica veloz
Eu não suporto aquele brilho em seu olhar
Porque, mesmo sem querer,
Põe os meus a brilhar

Eu não suporto a sua ausência
Porque termino a poetizar
Eu não suporto a minha própria demência:
A de poeta me achar

sábado, 8 de setembro de 2012

Vi e senti

Eu vi você no mar
Enquanto caminhava distraído, sem pensar
Vi teu brilho ao Sol
Enquanto tocava em Si bemol
Eu vi você partir
E não consegui mais dormir
                  
Amanheci numa manhã de luar
Enlouqueci num crepúsculo
No qual a neblina se fez dispersar
Todos os meus sonhos queimaram-se na manhã
Quando não havia mais amanhã

Tudo que ficou no passado foi pesado
E o que passou foi repensado
O que eu vi ficou ali
Mas tudo o que senti resolveu me seguir
As vozes (tanto as que falavam, como as mudas)
Sumiram
Você sumiu

Já não sei mais o que será amanhã

Já nem tenho mais o que fazer
Apenas ficar observando o horizonte
Na esperança de ver você nascer

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Ilusão bem amada

Este verso é pra você
Que é o primeiro pensamento do dia
E o último também
Pra você que chegou de repente
E fez ficar tudo bem
Pra você que é tudo e nada
Que é só uma ilusão
Ilusão bem amada.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Momento de revolta (ou Meia volta)

Me faço pensar que esses amores de nada valem. Pois, pra que serve tanta dor, tanto penar, tanto sofrer, se no fim sobra apenas o vazio daquilo que nunca foi? Se amar só serve para tecer esses versos inúteis, não quero mais amor – aliás, não quero mais amar. Queira-o quem quiser, mas deste tal de amor nem mais quero ouvir falar. E não precisa me dizer que isso é apenas um momento de revolta. Olho para trás, me arrependo de todas essas palavras e dou meia volta.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Ao amor que morreu

Uma singela homenagem ao amor que morreu
À vida que se escafedeu
Isto é, o amor
O amor é vida
Mas a vida, não necessariamente, amor

O amor platônico morreu
E nem Platão sabe o que aconteceu

É triste
Muito triste mesmo
Quando morre o amor
Quando você sabe
Mesmo negando de todas formas possíveis
Que aquele será seu último suspiro
Um grito verdadeiramente desesperado

O amor é uma ilusão
Amar é uma fantasia
O amor é uma utopia
Utopia bem viva que vive
E mata os corações -
Estes pobres que queimam, ardem
Esperam, doem, sangram 
E, enfim, cansam e secam;
Secam quando morre
O tal famoso brilho do encontro de olhares

Lá se vai mais uma pobre vida desiludida
A trilhar um novo caminho
Sem nem saber por onde começar
Querendo apenas saber o que é amar.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Nostalgia do amor

Desde que você partiu, sinto falta do teu cheiro, do teu tom, da tua cor, do teu olhar que queimava como o sol e dispersava as nuvens negras que me perseguiam durante o dia. Desde que você partiu, meu coração se partiu e sangrou. E a minha vida só não ruiu porque inda tenho esperança de ver você voltar. Já tenho tantos versos versados, tantos sentimentos mal-amados. Agora, pois, minha flor, olha só um pouco pra trás, volta pra cá pra fora e vem me amar.

domingo, 2 de setembro de 2012

Tudo num instante!

Tenho pressa com calma
Agonia com demora
Tenho calma com pressa
E vontade de ir embora

Sou tristeza no verão

E alegria no inverno
Árvore seca na primavera
E floresço no outono

Sou um cão sem dono

Um pássaro mal-amado
Só canto a alegria
Porque me foi designado

Sou tudo e nada

Pouco e suficiente
Sou dois em um
Três em dez
Não valho nem um conto de réis

Sou a rua e a estrada

Ladrilho e calçada
Sei também ser
Pranto e gargalhada

Sou clichê

Sou apenas eu
Sou eu, tu e vós
Sou a vítima cruel
E também o seu algoz

Não, eu não sou bipolar!

Apenas inconstante...
Te amo e não mais amo
Tudo num instante!

Sou momento e a vida inteira

Às vezes sou poesia
Mas às vezes só falo bobeira

Não posso ser tudo que eu quiser

Nem o que você achar
Sou apenas quem sou
Sem por e nem tirar

Sou calmaria e tempestade

Desejo e vontade
Tenho calor, tenho maldade
Sou sagaz e intimidade

Eu não sou uma rima
E nem tenho alguém
Sou um verso mal-amado
Que quer amor também