terça-feira, 21 de maio de 2013

Rir

Solta aquela tua risada
Que é capaz de modificar todas coisas
Engole esse choro
Que não muda nada

Ri dessa circunstância "contrária"
E lembra-te que ela é concreta
Que contrário és Tu
Que contraria tudo
Que contraria o mundo.

Tá vendo ali?
A felicidade não existe!
Sorri apenas, pois a vida é curta
Mas vai devagar, pois a perna encurta 
Mentira tem perna curta.

Pois, então, acorda pr'essa realidade
Realiza depressa essa verdade
Do que queres, do que podes  o que conseguires!

Ri feito um louco
Ri para o nada
Deixa rirem de tu
Deixa rirem sem tu
Ri feito um porco
O efeito é pouco
Mas não deixa de rir 
Não deixes de repartir.

Recordes, mas não se lembre
Do que te faz mal 
Ou o mal quem faz é ti a ti mesmo?
O mesmo problema é o semblante
Oras, faz um implante!
Te apaixona pela vida
Dança da chuva na avenida
Nessa corrida vale descansar
Às vezes até apelar 
Mas vai devagar!

Sorria pra enxergar as flores do caminho
Sorria e pisa bem no espinho
Sorri, que faz bem pro coração
Ri até secar o pulmão
Daquelas lágrimas tolas
Que te fizeram rolar
Por aquilo
Que já nem queres lembrar

– Hahaha!

Vou viver, digo: rir,
até não mais aguentar.

3 comentários:

  1. Adorei, as duas primeiras estrofes são especialmente inspiradas

    ResponderExcluir
  2. Sorri e vive. O agora, o amanhã, o pra sempre e até o nunca. Vive o que te dá vontade e sorri, porque felicidade é súbita, repentina e instantânea, sempre que transborda na curva do canto dos lábios. Adorei texto!

    ResponderExcluir